Hoje, durante o jantar, eu observava uma das crianças devorando um punhado de arroz vorazmente. Ela pegava tudo com a mão e colocava na boca com tanta pressa que parecia estar se preparando para anos sem comida. Enquanto olhava, eu me perguntei se deveria intervir e pedir que ela utilizasse talheres para comer. Optei por deixa-la comer daquele jeito.

Meu papel como educador é ensina-la a se comportar e seguir as regras sociais de um mundo cada vez mais exigente, porém, no descritivo da escola onde trabalho está escrito “criamos um ambiente seguro para que os alunos se tornem pessoas confiantes e livres para tomar suas próprias decisões”. Oras… exigir a utilização de talheres não é cercear a liberdade dessa criança? Não é impedir que ela se expresse livremente e decida sozinha quais serão seus hábitos alimentares? Comer com as mãos é uma experiência altamente sensorial, principalmente para uma criança autista, porque ela deveria ser privada disso ao invés de ser estimulada a seguir seus instintos?

Mais do que discordar da educação tradicional que enche nossos cérebros de citações inúteis e fórmulas que nunca farão diferença na sua vida, o que me faz pensar agora é a real necessidade de qualquer tipo de formação. Tudo o que aprendemos durante toda a nossa vida é para que possamos viver em sociedade, para nos adequarmos ao padrão. Então como podemos ser realmente livres se somos condicionados desde sempre a nos adequar? Seguindo esse ponto de vista, educação e liberdade se tornam pensamentos opostos já que a educação não te liberta, apenas te apresenta parâmetros que você opta ou não em seguir. Ao saber que você “deve” utilizar talheres para se alimentar, você pode usá-los ou não, é uma escolha sua, mas você está condicionado a escolher o “certo” e utilizar os talheres. Se nunca ninguém te disse que você deve utiliza-los ai sim você será realmente livre para escolher o que quiser.

É mais fácil treinar um ser pensante quando ele ainda é novo, inexperiente e maleável. Eu quero acreditar que ensinar uma pessoa como se portar em sociedade desde pequena é o melhor caminho. Ainda assim fico pensando se deveria deixa-la completamente livre até que ela possa tomar as próprias escolhas conscientemente e somente então lhe dar a opção de aprender ou não qualquer coisa.

Educação mata o instinto?

 

%d blogueiros gostam disto: